Nordeste deve se consolidar como região de “potencialidades”

← Voltar para as notícias

6/08/2019   18h10

O presidente Associação Nordeste Forte, Amaro Sales, afirmou na última sexta-feira (2) que o maior desafio do Nordeste é se afirmar como uma região de “potencialidades”, mesmo diante do cenário de desigualdades sociais.

“Queremos aparecer como uma região de potencialidades, forte, próspera. Somos uma região que tem uma solução para o Brasil”, afirmou Sales, durante reunião da Associação Nordeste Forte, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), na sede da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), em Fortaleza (CE).

Durante o encontro, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) avaliou que a política brasileira vive um momento único, que obriga o Congresso Nacional a ter uma agenda independente do executivo.

“Quem dá o tom dessa agenda é a equipe econômica, pois, diferentemente do governo anterior, ela tem um rumo e sabe aonde quer chegar, apesar de ser inexperiente com o funcionamento da coisa pública”, ressaltou.

Com relação às reformas em debate no Congresso, o parlamentar, que é relator da reforma da Previdência Social na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, afirmou que o clima para a aprovação da PEC 6/2019 é positivo.

“Devemos aprovar o ‘coração’ do texto. Em paralelo, vamos encaminhar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) paralela para a reinclusão dos estados e municípios na reforma”, disse.

RETOMADA DA ECONOMIA – Os participantes do encontro foram recepcionados pelo presidente da FIEC, Beto Studart. “Fico muito feliz com este ambiente de profunda densidade intelectual. Acredito na força do Nordeste e no momento positivo de retomada da economia. O Brasil precisa oferecer a oportunidade para os empresários voltarem para as suas mesas de trabalho e desenharem os seus sonhos”, afirmou.

Para os ex-presidentes da CNI, Armando Monteiro e Albano Franco, que participaram do encontro, um dos gargalos que precisa ser resolvido para que o Nordeste possa se desenvolver diz respeito à infraestrutura. Monteiro afirmou que as obras de infraestrutura eram financiadas pelo poder público. Este modelo, porém, se esgotou, disse.

“É preciso pensarmos em um outro modelo para tocar essas obras”, ressaltou.

O encontro contou ainda com a participação da Secretária de Desenvolvimento Regional, Adriana Melo, do Ministério de Desenvolvimento Regional, do gerente executivo de Políticas Tributárias e Fiscais da CNI, Mário Sérgio Telles.

SOBRE A ASSOCIAÇÃO – A associação sem fins lucrativos Nordeste Forte foi criada em 29 de novembro de 2016 e visa promover ações de desenvolvimento socioeconômico na Região Nordeste, contribuir para a competitividade da indústria e para o crescimento da economia. Entre os objetivos está a redução das desigualdades regionais e a construção de um Nordeste mais forte.