Mercados esperam reforma da Previdência

← Voltar para as notícias

12/02/2019   16h33

Em entrevista à Revista Indústria Brasileira a economista-chefe da XP Investimentos Zeina Latif afirma que embora seja possível avançar em medidas microeconômicas para melhorar o ambiente de negócios, dando continuidade ao que já vinha sendo feito pelo governo de Michel Temer, a variável chave para o sucesso do novo governo no campo econômico é a aprovação da reforma da Previdência Social. “Não é só uma questão de saber se vai aprovar ou não, mas a qualidade da reforma. Não pode ser qualquer reforma. Essa reforma é um divisor de águas tanto para 2019 quanto para os anos seguintes”, resume ela. Veja a entrevista a seguir:

REVISTA INDÚSTRIA BRASILEIRA – Quais as perspectivas econômicas para 2019?

ZEINA LATIF – Ainda tem uma certa dose de incerteza. Essa ideia de que passa a eleição e as incertezas vão embora não é verdade. Você tirou da frente a incerteza eleitoral, mas toda a agenda econômica ainda traz preocupação e pontos de incerteza. Estou falando aqui da reforma da Previdência Social, que é prioritária para termos um ambiente macroeconômico saudável. No caso da reforma da Previdência, não é só uma questão de saber se vai aprovar ou não, mas a qualidade da reforma. Não pode ser qualquer reforma. Essa reforma é um divisor de águas tanto para 2019 quanto para os anos seguintes.

REVISTA INDÚSTRIA BRASILEIRA – Como assim?

ZEINA LATIF – Se a gente for por um caminho de uma reforma que sai atrasada e tímida, isso tende a gerar ruídos nos mercados e vai acabar impactando câmbio, inflação, taxa de juros e, portanto, o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB). Os respingos poderiam ocorrer já em 2019. Digamos que neste ano ocorra um cenário em que não sai a reforma da Previdência, com negociações difíceis no Congresso Nacional. Com isso, os mercados vão ficar estressados porque o ambiente político não é neutro para o desempenho econômico.

Agência CNI de Notícias